Resposta ao comentário da Felicidade Niquice…

Boa tarde!

Hoje estou muito feliz em poder responder a uma ex-estudante minha!!! Muito obrigada Fernanda! Fico lisonjeada… 🙃 E Felicidade, não se preocupe com o tamanho do texto…

Escrevo como publicação para ver se mais pessoas podem ler…

Eis o cometário abaixo:

“Boa Dra. Beatriz! Fui sua aluna na Faculdade de Medicina e devo dizer-lhe que gosto muito do blog!

Gostaria que abordasse o tema Dinâmica, mãe, mulher, esposa, trabalhadora e estudante! Pois muito oiço que tudo se complementa é só ter uma “agenda”, mas a verdade é que a vida é corrida. Andamos de clínica em clínica, estamos a estudar (mestrado/doutoramento/especialidade) temos filhos, eu neste caso um pedacinho de carne de 9 meses, sou casada. Ufff. Gostaria de perceber da sua rotina e como o faz! E uma questão levou o seu filho quando foi a Suécia para o Doutoramento? Se sim, como foi?

Desculpe o texto longo”

Eis a minha resposta:

Cara Felicidade.

Muito obrigada pelo comentário e dúvidas, e os meus parabéns pelas suas conquistas.

Realmente a rotina não é fácil. Uma das coisas que nunca fiz e nunca quis fazer é andar de clínica em clínica. Alguns podem criticar, e pensar que tenho uma vida financeira abastada, pois sei que a maior parte dos profissionais de saúde andam de clínica em clínica para poder melhorar o seu rendimento. Mas, eu preferi abdicar disso para realmente ter uma vida mais equilibrada. Sou docente e pesquisadora desde 2008 e trabalhei em um hospital geral e dois centros de saúde públicos por 5 anos. Quando era solteira até podia fazer mais clínica, mas realmente não quis fazer.

Uma das coisas que me ajudou foi ter um marido que apoia as minhas decisões. É claro que se eu disser algo com que ele não concorda, ele expõe a sua opinião e eu depois tomo a decisão com ele. O mais importante é a comunicação entre os parceiros. As vezes é necessário nos esforçamos mais para ajudar o nosso parceiro a entender a decisão que queremos tomar, mas a conversa resolve.

Como consigo? É algo que aprendo todos os dias. Não há uma fórmula para tal. Mas em primeiro lugar temos que gostar do que estamos a fazer. De seguida, creio que para além de termos aliados dentro de casa, na família e no local de trabalho, é importante nos amarmos e nos conhecermos. Saber os nossos limites.

Eu sou péssima a trabalhar com notas, agendas, etc… Lembro-me que na faculdade durante o curso de medicina os docentes nos incentivavam a tomar notas. Eu comprava blocos de notas, cadernos, canetas de várias cores, marcadores, etc., e no fim do dia, pegava no livro e lia por inteiro…. Não conseguia concentrar-me usando as notas… e sou assim até agora… Sei que é algo recomendado, mas realmente tenho dificuldade.

Outra coisa que aprendi, foi que devo dormir o suficiente sempre que posso e respeitar as horas fora do expediente, feriados e finais de semana. Eu só trabalho fora das horas normais de expediente em casos de extrema necessidade. Fiz isso para poder cuidar mais de mim e poder estar mais tempo com a minha família. Sei que pode ser loucura, mas durante o curso de medicina nunca dormi depois das 22hrs, mesmo tendo exames… fiz a mesmo no mestrado e agora no doutoramento. Quando tinha noites no hospital onde trabalhava tentava compensar as noites de sono durante o dia… Lembro-me que quando viajava para o doutoramento fazia questão de ir para a cama na sexta-feira, acordar só para falar com a minha família, ir a casa de banho, comer e voltava as actividades normais só na segunda-feira.

Para além disso, tento andar muito a pé e fazer exercícios leves. Quando viajo para o doutoramento uso transportes públicos apenas em casos extremos. A distância do alojamento até a universidade é de mais ou menos 40 minutos. Então andava a pé pelo-menos 80 minutos por dia. Confesso que aqui em Maputo seja mais difícil fazer essas caminhadas.

Nem todos têm as mesmas condições que eu e nem as oportunidades, mas esta é a minha forma de cuidar de mim.

Quanto a levar o meu filho para a Bélgica – não Suécia como a Felicidade tinha dito – levei a ele quando tinha 5 meses pois ainda estava a amamentar. Isso foi na minha primeira viagem. Ele ficou comigo lá por 3 meses. A vantagem de lá é que há uma creche bem dentro da universidade. Então eu levava a ele logo de manhã, deixava a ele na creche e no fim do dia ia o buscar. Sendo assim, depois da hora do expediente e finais de semana não estudava para poder cuidar dele. Na segunda viagem ele já tinha um ano e quatro meses e sendo assim, deixei-o com o meu marido.

Bem, espero que tenha ajudado. Mas estou aberta a mais esclarecimentos.

Publicado por

Beatriz Manuel

Beatriz Manuel é licenciada em Medicina, esposa, mãe, estudante de doutoramento, docente e investigadora numa Faculdade de Medicina em Maputo, Moçambique. Ela leciona, investiga e tem interesse em Educação Médica, Saúde Familiar e Comunitária, Saúde Pública, Saúde Sexual e Reprodutiva, HIV / SIDA, temáticas de gênero, Evidência Baseada em Medicina para Influenciar Políticas. Ela possui mestrado em Educação de Profissionais de Saúde.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s