Sheila Miquidade… “uma pessoa de honra”…

Boa tarde! Espero que esteja tudo bem.

Hoje partilho um texto escrito por Dalton Sitoe, publicado a 09 Fevereiro 2019, sobre Sheila Miquidade, Directora de Comunicação na Vale Moçambique…

Directora de Comunicação na Vale Moçambique

Há mil e uma circunstâncias para o nascimento de um filho, e a partir de qualquer uma delas pode surgir uma pessoa de honra. Aliás, as próprias circunstâncias edificam esse ser, pois em parte o Homem é resultado das suas próprias experiências.

Ângela Maria foi criada por uma família cuja responsabilidade material, financeira e de educação era das mulheres (avô, mãe e tias). Ela cresceu na famosa Mafalala, na cidade de Maputo, um bairro rico em histórias e economicamente humilde. Aos 17 anos de idade, ela engravidou do pai da sua filha, com quem tinha, na altura, uma relação ocasional.

A adolescente viria a dar à luz a 23 de Outubro de 1978, em Maputo. Assim veio ao mundo Sheila Maria Muhamudo, e depois aos 8 anos de idade, Sheila Marisa Muhamudo Amade Miquidade, mas sobre esta parte da história falaremos melhor depois. Assim Sheila foi criada pela mãe, como a sua mãe e suas tias também tinham sido criadas apenas pelas mulheres da família.

Poucas memórias há do que terá acontecido desde à nascença aos 4 anos de idade de Sheila. Contudo, sabe-se que Ângela Maria trabalhou, durante esse período, na antiga Inter-franca, na Av. 24 de Julho, na cidade de Maputo. Mas depois, procurando formas de garantir uma vida melhor para sua filha, partiu para Portugal, por volta de1982. Foi uma aventura! Ela era uma mulher atrevida.

Em Portugal, Ângela estabeleceu-se em Odivelas, concretamente no Vale do Forno. Lá teve várias oportunidades de emprego em área de relações públicas. Alguns meses, após a sua chegada, levou a filha para ir morar com ela, quando Sheila tinha 4 anos.

Sheila Miquidade levava uma vida boa em Portugal. Não chegou a perceber carência financeira. Ela chegou a viver num apartamento de um prédio de um centro comercial em Odivelas; a mãe conseguia prover uma boa educação, estudava numa escola privada (Externato João Ratão); tinha acesso a um mundo de fantasia, dando a si, filha única todos os benefícios do seu esforço como bons brinquedos e acesso a experiências diferentes.

Sheila e a sua mãe viviam sozinhas e só poderiam contar uma com a outra. O conceito de família, pelo menos até aquela altura, era algo restrito; e família resumia-se a elas duas. Algo diferente de África, em que é alargada. E isso teve sua influência na infância de Sheila.

Vivendo apenas com a mãe, Sheila sem se aperceber ia se tornando auto-suficiente, brincava mais com bonecas e tinha uma cadela chamada Layca, que a ajudava a preencher o vazio da falta de irmãos ou família mais alargada por perto. Como elas viviam num terceiro andar, ela gostava de lançar um chinelo das escadas abaixo para que Layca fosse buscar. Essa brincadeira trazia alegria para a criança que crescia entre um mundo de criança e de adulto, apesar de ter amigos com quem brincar.

As suas melhores amigas foram Patrícia Monteiro, Carla e Jamila. Com elas conversava e brincava. Mas também tinha amigos e certa vez, Sheila foi brincar e a mãe procurou-lhe tanto e não a encontrou. Ela apareceu no final do dia, de mãos dadas com um amigo loirinho. A mãe apanhou um susto, mas depois percebeu que eram coisas da idade, pois Sheila era tudo na vida de Ângela Maria, sua mãe.

Amade Miquidade é o pai de Sheila. Ainda muito jovem iniciou a carreira como militar e foi ajudante de campo do primeiro Presidente de Moçambique, Samora Machel. Ele soube que Ângela Maria estava grávida seis meses depois. A primeira atitude dele foi informar ao pai dele e ao seu falecido irmão Adamito. Quando Sheila nasceu seu pai apresentou-lhe aos seus pais e irmãos. Sheila foi bem acolhida.

Ângela tomaria depois a filha, rumando para Portugal, sem que tivesse sido registada pelo pai devido as diversas circunstâncias do seu relacionamento com o pai de Sheila.

Aos oito anos de idade, Amade, depois de tentativas de aproximação foi atrás delas em Portugal para registar a sua filha e dar continuidade a aquele que seria um dos actos mais importantes de vida da Sheila, ter o reconhecimento emocional e oficial do pai. Amade registou Sheila no Consulado de Moçambique, em Portugal. Já era vontade da mãe de Sheila que a filha se reencontrasse com o pai.

Foi com esse registo que Sheila Maria Muhamudo passou a chamar-se Sheila Marisa Muhamudo Amade Miquidade.

Este reencontro foi muito desejado e cresceu no coração de Sheila a vontade de querer viver com o pai. Imaginava como seria viver em Moçambique, ao lado dos seus irmãos e com o seu pai. E aos 12 anos, veio para Moçambique passar férias em casa do pai.

O pai tinha boas condições de vida, estava ligado ao Estado e tinha responsabilidades de destaque nas suas funções como servidor público. Naquela alegria de regressar a Moçambique e viver ao lado do pai e seus irmãos, Sheila decide ficar em Moçambique e não voltar para Portugal no final das férias. Ela informou a mãe via telefone. Esta comunicação via telefone, numa época que não havia telemóvel e nem Face Time, tornou o processo sofrido para a sua mãe, que via-se forçada ficar longe da sua maior razão de viver e de estar em Portugal a batalhar a vida. A sua filha!

No ano seguinte, Sheila foi matriculada na Escola Secundária Josina Machel. E teve assim a experiência de estudar pela primeira vez numa escola pública.

Ao longo do tempo, a emoção foi desaparecendo. Sheila começou a sentir falta da sua mãe e do seu porto seguro. As coisas nessa altura, já não eram como tinha fantasiado.

Já na recta final do ano lectivo, algo começou a gritar no coração de Sheila para voltar. E ela decidiu obedecer o desejo. À revelia do pai tratou toda documentação para voltar para Portugal, aos 13 anos. A mãe, com ajuda de uma amiga, tratou da passagem. Em Setembro, antes do ano lectivo terminar, ela conversou com o pai e anunciou que iria voltar para Portugal. Amade acabou consentido mesmo que triste por acreditar não ter conseguido cativar a sua filha.

A 22 de Outubro, Sheila seguiu para Portugal. Chegou a 23 de Outubro, dia do seu aniversário. Celebrou a sua data natalícia e, a 28 de Dezembro, a mãe dela morreu.

Amade Miquidade estava em uma ilha perto de Moçambique a passar férias com a família. Ao tomar conhecimento, interrompeu as férias e foi para Portugal para amparar a filha e cuidar da cerimónia fúnebre. A família de Ângela não tinha condições para arcar com as despesas fúnebres. O pai de Sheila cuidou de tudo, tendo mostrado a sua filha a grandeza de ajudar os outros independentemente da história que cada um carrega e como ela cruza nas nossas vidas.

Depois da morte da mãe, Sheila voltou para Maputo, onde veio viver com o pai. Em Portugal, Sheila tinha um tio paterno. Ele conversou com o pai, apelando que Amade mantivesse o nível de vida que a mãe dava à Sheila com muito sacrifício. Como resposta, matriculou Sheila na Escola Portuguesa, em Maputo.

Naquela escola, ela era uma aluna média. Não era muito dada para cálculos, tinha domínio das ciências humanas e se relacionava normalmente com os seus colegas.

Sheila vivia uma nova fase em que teve alguma dificuldade no início em se adaptar a aquela que passaria ser a sua realidade pois, uma das coisas que havia contribuído para Sheila ficar em Maputo depois de ter vindo para férias, era o facto de a mãe ser muito rigorosa e exigente. E ela pensou que seria diferente em Maputo com o pai.

Tiveram muitos desafios enquanto pai e filha, mas hoje são grandes amigos e o seu pai conseguiu desempenhar com mestria o seu papel de pai, provedor e protector.

Carreira

Sheila começou a trabalhar aos 14 anos de idade, quando estava em Maputo. Ela pediu emprego numa loja de tecidos, chamada Tumarence. A loja pertencia aos pais de uma amiga e colega de escola. Pediu para trabalhar nas férias para poder ganhar algum dinheirinho para suas necessidades e caprichos, porque não tinha mesada. Na Tumarence, como não tinha idade para ser empregue, trabalhou na supervisão e explicava aos clientes qual tecido era recomendável comprar.

O pai teve uma educação militar eincentivava os filhos a lutarem pela vida e a não viverem na “sombra da bananeira”. Ele dizia aos filhos “eu tenho motorista, mas o motorista é meu, fui eu que conquistei, vocês devem fazer esforço, por isso andem a pé ou em transporte público”.

Algum tempo depois a madrasta dela abriu uma lanchonete no Liceu da Polana e convidou Sheila para ser gestora. Ela ia comprar hambúrguer no talho da Polana; ia à Xipamanine comprar diversos produtos. Ela ganhou experiência de gestão apenas com este negócio, mas o negócio não era lucrativo e todo dinheiro que gerava era para pagar custos e não restava nada para ela.

Aos 17 anos, trabalhou nas bombas de combustível ao lado do Hotel Polana, antiga Mobil na loja de conveniência como caixa, saía da faculdade às 12:00 horas e, às 15:00 horas, entrava na loja e saía às 23:00 horas para casa.

Para Sheila era muito importante trabalhar, pois conseguia ser exposta a novas pessoas e trabalhar para ser independente mais cedo.

Ela estava também numa associação de jovens músicos. Era uma agremiação constituída por jovens do grupo ElectroBase. Sheila era relações públicas e porta-voz, devido a sua responsabilidade na associação, foi seleccionada para ir a Rádio televisão Klint – RTK, como porta-voz do grupo. Devido a sua postura e desempenho na entrevista, Frederico Costa, o editor de programas, gostou da atitude de Sheila e naquele mesmo dia convidou-lhe para ser locutora.

Ela aceitou o convite de imediato. Sheila passou pelos testes e começou a trabalhar na RTK. Assim entrou para o mundo da comunicação. Ela fazia voz-off de reportagens e apresentava um programa de teatro de jovens amadores.

Sheila apresentava também o telejornal numa altura em que não havia muitas condições de trabalho. Era tudo numa sala muito pequena de menos de 40m2 e muito quente. Os colegas da redacção extraíam as notícias da BBC, transcreviam e ela pegava nos manuscritos (nem sempre legíveis) fazia voz-off ou apresentava o telejornal.

Estes trabalhos eram conciliados com a faculdade. Primeiro ia à faculdade e depois à televisão. Sheila estava a fazer Licenciatura em Ciências da Comunicação na especialidade de Marketing e Publicidade, no ISPU (actual A Politécnica).

Depois dessa experiência esteve como estagiária de Relações Pública no Hotel Rovuma. Nessa altura, ela saía da faculdade às 13:00 horas e ia trabalhar, para depois sair às 19:00 horas. Esta dinâmica de ser multi-tarefa sempre foi uma característica que acompanhou a sua trajectória profissional.

Pelo desempenho que teve no hotel, Sheila recebeu um prémio de estágio e foi participar na Feira Internacional de Turismo, em Durban. A feira chamava-se “Indaba”. Foi então que Sheila negociou o seu primeiro salário. Ela argumentou que precisava andar bem apresentada para receber os hóspedes e que a imagem era muito importante para o tipo de turistas que estava a lidar com eles. Acertou assim um contrato de 400 dólares. Muito bom salário na altura e até hoje.

Aos 22 anos, Sheila casou-se e em 2000 saiu do Hotel Rovuma. Ela frequentava o último ano da faculdade e estava grávida do seu filho, por isso parou por um tempo com a maratona de trabalho.

O marido da tia de Sheila, que era um inglês e que trabalhava no Hotel Cardoso, disse que o hotel estava a procura de uma executiva de vendas. Eles queriam alguém que fosse vender os produtos e serviços do hotel, então acabaram por contratar Sheila, por saberem da sua experiência no anterior hotel e por terem a visto em Durban, na feira.

Enquanto trabalhava no hotel Cardoso colocou-se num enorme desafio. Sheila era casada, tinha um bebé recém-nascido (Atílio Cheman), e estava a terminar a faculdade. Ela trabalhava a tempo inteiro no hotel e era assistente do coordenador do curso na faculdade, Marcelino Alves, e também era assistente da professora de relações públicas. Ela tinha praticamente quatro empregos, incluindo os de mãe e esposa (risos…).

Ela ganhava dinheiro pelas aulas que leccionava como assistente. Nos dias que tinha aula por dar, ela criava um programa que lhe permitisse sair, como visitar clientes ou algo parecido para conseguir desenvolver uma das suas paixões que era leccionar.

O trabalho na faculdade ajudava-a a ganhar mais algum dinheiro extra para sua família, pois era recém-casada, depois de sair do hotel, ia fazer trabalhos administrativos na universidade. Depois disso ia para casa. Às vezes o bebé estranhava-lhe, pois ela passava muito tempo fora de casa.

Essa forma de trabalhar influenciou também a relação com o seu marido, na altura (já estão divorciados). Para Sheila havia necessidade de trabalhar para buscar mais rendimentos para o seu lar. Ela era muito nova e estava pensando no bem-estar da família. Aquela época acabou sendo boa, porque fazia coisas que o coração dela gostava, mas desafiante, pois era difícil de gerir.

Naquele contexto e pelo seu desempenho Sheila foi convidada para, ao invés de ser assistente da docente, passar a dar aulas como regente na Faculdade de Gestão, no ISPU.

Em 2002, Sheila foi trabalhar para o banco Millennium Bim. Entrou no banco como técnica especialista, no Departamento de Marketing para área de serviços bancários, nessa altura, três anos depois nasceu sua filha Melika Cheman, e mais três anos nasceu o seu terceiro filho, Leandro Cheman.

Profissionalmente os desafios e as responsabilidades foram crescendo na sua vida e carreira. No Millennium bim passou de técnica, à sub-directora de comunicação institucional e corporativa e de responsabilidade social e por fim, antes de sair da empresa em 2014, esteve dois anos no departamento de qualidade como Directora de Melhoria de Qualidade de Serviços.

Como tinha experiência de ser professora, Sheila foi também formadora no banco. Ela foi formadora na área de marketing, programa de responsabilidade social, e melhoria de serviços bancários, sobretudo para o Millenium Bim Prestige. Ela esteve à frente de uma pesquisa de atendimento e deu formação interna para o segmento Prestige.
Chegou uma altura em que ficou difícil conciliar o trabalho no banco, aulas no ISPU, e dona de casa. Por vezes Sheila tinha de viajar e então parou de dar aulas. Os 12 anos de banca foram marcantes para a profissional que se tornou.

Em Outubro de 2014, Sheila foi para a Vale Moçambique, onde é directora de comunicação até a actualidade (2019). Em 2018, passou também a ser directora de comunicação das empresas do corredor da Vale e do corredor logístico.

Na Vale, Sheila faz gestão da comunicação, veículos de comunicação interna e externa com o objectivo de garantir favorabilidade e a reputação da empresa.

Um dos trabalhos que a equipa liderada por Sheila já realizou com destaque foi o evento de inauguração do corredor de Nacala. O evento teve uma grande dimensão nacional e internacional, pois contou com a participação de altas individualidades governamentais, institucionais e financeiras.

Recentemente tem vindo a capacitar-se nas áreas de desenvolvimento humano, com a formação em coaching pela More Humanistic Institute, adquirindo competências para uma melhor gestão de pessoas tendo em conta o seu sistema social, humanizando as relações profissionais e trazendo do outro, o melhor das suas competências, habilidades e atitudes. Ela ainda não está fazer o coach com muita intensidade, mas espera actuar em breve com mais intensidade.

Convicções

Ser mãe para Sheila Miquidade é uma experiência agridoce. A mãe é mãe porque trouxe filhos ao mundo, mas não existe um manual para explicar como ela deve agir (risos…). Ser mãe aprende-se sendo. Entre acertos e falhas, a mãe vai se tornando uma mãe cada vez mais digna de ser mãe. Daí que o tratamento que dá ao primeiro filho numa fase, é aprimorado no filho seguinte.

Contudo, a partir do momento que uma mulher se torna mãe, toda energia, sabedoria adquirida é investida e transferida para que seja em prol do equilíbrio e sucesso dos filhos… Ser mãe é amar incondicionalmente, é sofrer pelos filhos e dar oportunidade deles também desenharem o seu caminho e serem os actores e protagonistas das suas histórias…

Ser mãe é um projecto de vida inacabado e uma jornada de alto desenvolvimento. Ser mãe é estar em estágio permanente de Amor!

Aos 35 anos, Sheila foi para uma universidade espiritual, na Índia, Brahama Kumaris. Foi na fase do divórcio e ela precisava de se reencontrar consigo mesma. Na Índia, aprendeu a lidar com a sua história e a canalizar a sua experiência de vida para se transformar e canalizar a sua energia para acções positivas.

Naquela trajectória, Sheila tornou-se mais tolerante como mãe e percebeu que ela não muda os seus filhos e não deve mudá-los. Percebeu que só pode influenciá-los e que eles têm a sua jornada e devem segui-la. A sua função como mãe é dar-lhes bons valores como: amor; respeito; humildade; e responsabilidade.

Fé e Hobbies

Quanto à convicção religiosa, Sheila é muçulmana. Ela crê em Deus. Contudo, não é frequentadora da mesquita. Ela procura em seu interior buscar a Deus, falar com Ele e ouvi-lo através da meditação. Acredita que o mais importante é ouvi-Lo e praticar o bem. Esta crença converte-se em Fé, que é o seu guia, fonte de força, e esperança de Sheila.

Quanto aos hobbies, Sheila gosta de escrever poesia. Ela tem uma página no facebook chamada TatiandoSonhos, onde publica seus poemas. Tem também uma página intitulada Sheila Miquidade coach, onde partilha ensinamentos.

Também gosta de ler, já teve um clube de leitura. Ela gosta de jogar ténis e nadar. Ama viajar, conhecer outros países e museus, turismo cultural. Ela já foi à Tanzânia; Espanha; Holanda; Alemanha; Brasil; Índia; Zimbabué; África do Sul; Swazilândia; Qatar; e Itália e claro, Portugal onde viveu 10 anos mas, anseia dar a volta ao mundo em 80 dias.

As viagens ajudam-lhe a abrir a mente e perceber que existe tanto do mundo por ser visto. Cada viagem torna-lhe mais aberta para receber o outro na sua diferença e singularidade, enriquecendo a sua existência.

Publicado por

Beatriz Manuel

Beatriz Manuel é licenciada em Medicina, esposa, mãe, estudante de doutoramento, docente e investigadora numa Faculdade de Medicina em Maputo, Moçambique. Ela leciona, investiga e tem interesse em Educação Médica, Saúde Familiar e Comunitária, Saúde Pública, Saúde Sexual e Reprodutiva, HIV / SIDA, temáticas de gênero, Evidência Baseada em Medicina para Influenciar Políticas. Ela possui mestrado em Educação de Profissionais de Saúde.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s