Convidada de hoje: Arminda Janfar – vida académica e carreira profissional

Foto enviada por Arminda Janfar.

Bom dia amig@s!

Feliz dia Internacional da Mulher!!!

Conforme falei, convidei a tod@s e consegui ter a a primeira historia de uma mulher de “fibra” no meu blog!!!

Estou muito feliz por ela ter aceite o meu convite e espero que mais pessoas também aceitem partilhar as suas historias e que possa mudar a vida de muita gente!

Passo agora a citar a historia da minha convidada, escrita por ela:

“Chamo-me Arminda Janfar, tenho 39 anos de idade, sou natural do Distrito de Angoche, Província de Nampula, sou Moçambicana e residente em Maputo a sensivelmente 23 anos.

Sou mãe de uma menina de 14 anos, proprietária de uma Instituição de Ensino Superior denominada Instituto Superior de Formação, Investigação e Ciência (ISFIC), na cidade de Maputo.

ISFIC conta neste momento com 12 licenciaturas, 5 cursos profissionais, 3 pós-graduações e 3 mestrados.

Antes mesmo de começar a falar um pouco da minha vida profissional e acadêmica, quero desde já:

Agradecer primeiramente à Deus pelo Dom da vida e por tudo quanto tem feito por mim. O mais importante tenho graças à Deus – saúde.

Quero agradecer à Dra Beatriz Manuel pela oportunidade que me dá de compartilhar, explanar um pouco da minha vida académica, profissional e trajetória de vida.

Quero igualmente parabeniza-la por esta obra e pela sua iniciativa que já é um sucesso.

Tenho muito para contar-vos sobre mim, mas vou limitar-me em falar apenas o essencial para que não seja um artigo demasiado longo.

Fiz o ensino primário na Escola Primária 7 de Abril, em Nampula, e o ensino secundário na escola Secundária de Nampula.

Vim a Maputo concorrer para o curso de Direito na Universidade Eduardo Mondlane (UEM), que era a minha única alternativa de ter uma formação superior, uma vez que os meus pais não possuíam condições financeiras para que eu pudesse no ensino superior privado.

Lembro – me do quão difícil era naquela altura entrar para uma universidade pública, e mesmo estando ciente disso decidi concorrer para UEM duas vezes, mas infelizmente sem sucesso.

Decidi então fazer alguns cursos enquanto esperava para concorrer novamente.

Nunca me considerei uma boa aluna, mas sempre me considerei uma MULHER astuta 🤣.

Enquanto fazia cursos de curta duração como informática, secretariado, administração, contabilidade e gestão, trabalhava em regime part-time para custear as minhas despesas.

Sai da casa dos meus pais muito nova para vir morar numa cidade onde não tinha nenhum familiar, apenas amigos. Mas como tinha intenção de formar – me e singrar na vida, não tive outra alternativa senão arriscar, deixando para trás a minha casa, os meus pais, os meus familiares, amigos, a minha cidade, etc.

Quando cá cheguei, aluguei um apartamento tipo 1, não tinha condições nenhumas, não tinha mobiliário, eletrodomésticos, cortinas, enfim era algo triste e sombrio, mas era o início de uma nova vida e o meu canto.

Passando alguns meses, tive a sorte e a grande oportunidade de trabalhar na Mediterrean Shipping Company (MSC) como tesoureira e daí deu-se o início a minha vida profissional.

Trabalhei lá durante 4 anos, conheci gente nova, fiz amizades, aprendi muito, adquiri conhecimento, novas experiências, cresci mentalmente e a necessidade de querer mais.

Algum tempo depois surge um novo desafio “comunicação social ” o famoso mundo dos Mídias. Passo a trabalhar no JORNAL ZAMBEZE como Administradora Geral. Começa aí o grande desafio da minha vida.

Como sempre fui e sou muito comunicativa, me apaixonei pelo ramo jornalístico, não era exatamente uma jornalista, mas trabalhava com a equipe de redação do jornal, administração, publicidade expansão e outras.

Foram momentos ímpares e os mais marcantes da minha carreira profissional lidar com homens corajosos, homens que trabalham em prol do povo, que trabalham por uma causa justa onde o objetivo é levar a informação ao serviço do povo para o bem-estar da sociedade, harmonização e contextualização de toda uma nação.

Enquanto trabalhava no Jornal Zambeze, e depois de fazer alguns cursos profissionalizantes, resolvi fazer licenciatura em jornalismo e comunicação.

Graças à Deus foi uma ótima escolha porque além de gostar do que fazia, fiz um curso que tem muito haver com a minha pessoa (comunicação).

Com o passar do tempo, já mais crescida e madura, surgem novas oportunidades, ideias, sonhos e planos “ENSINO SUPERIOR”.

Por sorte e pela ironia do destino, conheço à Dra Isabel Pereira proprietária de uma Faculdade em Portugal na cidade do Porto denominada ISCET.

Dra Isabel Pereira e o Professor Catedrático Adalberto dias de Carvalho Diretor do ISCET, ambos de nacionalidade Portuguesa, já vinham trabalhando e colaborando com instituições de ensino superior em Moçambique há vários anos e viram à necessidade e o sonho de ter uma autonomia independente em abrirmos uma instituição de ensino superior privada em Moçambique.

Cria-se então o ISFIC, com ajuda do Professor Catedrático Brasão Mazula, “o Impulsionador”, como o considero, a utopia da educação em MOÇAMBIQUE, e várias outras individualidades que também fizerem com que esse sonho fosse uma realidade; dentre eles o conceituado Professor Catedrático Carvalho Madivate.

Quero agradecer à Casa da Educação da Munana, especialmente ao Padre Geraldo que tem dado um grande apoio e contributo, colaborando para o crescimento e educação no nosso país; dizer que sem ele nada disso teria sido possível.

É uma grande satisfação para mim ser uma das fundadoras e proprietária de uma instituição de ensino superior e é uma grande honra ser considerada única mulher jovem proprietária de uma instituição de ensino superior no meu país e em África.
Me sinto uma mulher lisonjeada e muito abençoada
Obrigada meu Deus!

Com ajuda de todo povo Moçambicano, dos nossos governantes, do Ministério da Ciência e Tecnologia Ensino Superior e Técnico Profissional, do Conselho Nacional de Qualidade (CNAQ), que tem vindo a desenvolver um papel importante e tem feito um trabalho árduo em prol da educação e qualidade de ensino no nosso país, das pessoas que me rodeiam, da equipa do ISFIC, da pessoa do Diretor Geral do ISFIC, Mestre Rodriguez Zichai Fazenda, que acreditou em mim num momento mais crítico da minha vida em que resolvi dar início as actividades (arranque das aulas) com apenas 56 estudantes, com ajuda e suporte da minha família, minhas duas irmãs que trabalham comigo, a Soraia Janfar e Jaqueline Janfar que de tudo fazem para que o ISFIC cresça e se torne uma referência, dos meus pais que desde que acordam rezam e pedem a Deus que ilumine o meu caminho.

Foram momentos sufocantes, de noites em branco, preocupações, gastos avultados sem retorno, mas com fé, esperança, perseverança e certeza que um dia tudo dará certo e o impossível torna-se possível.

ISFIC hoje é uma realidade e já conta com mil e poucos estudantes.

Nosso foco é a pautar pela qualidade, ter os cursos acreditados, extensão, expansão e investigação científica no seu todo.

Termino a minha história com muita satisfação e com a missão de servir o povo Moçambicano, contribuindo na formação de quadros para o crescimento e desenvolvimento do meu país.

Espero que a minha história seja motivante para quem acredita que com fé, amor e perseverança tudo na vida é possível.

Mais uma vez deixo os meus melhores agradecimentos à Dra Beatriz Manuel pela brilhante iniciativa, que continue desenvolvendo suas pesquisas científicas, que continue sendo essa referência e exemplo de MULHER para todas nós.”

Minha experiência profissional (continuação) …

Olá amig@s!

Mais uma vez agradeço por lerem e contribuírem para melhorar o meu blog.

Nesta semana conheci duas pessoas maravilhosas e convidei-as a partilharem as suas histórias!!! Estou ansiosa para as receber e também partilhar histórias de três mais mulheres que se prontificaram em enviar-me!!!

Agradeço que mais mulheres ainda partilhem as suas histórias e que homens também o possam fazer – já que eles também são os nossos parceiros e creio que devem ter histórias que podem inspirar a vários homens e mulheres.

Agradeço que se tiverem conhecimento de alguém que acham que podia servir como inspiração, me contactassem para que eu publique a sua história.

Como me foi sugerido, penso também partilhar histórias de mulheres que não fizeram ensino superior ou que não estão nas áreas de ciências, mas que podem incentivar a outras mulheres a seguirem os seus sonhos.

Gostaria de informar também, que para verem as minhas publicações anteriores após terminarem de ler esta publicação, irão ver a parte que diz “deixar comentário”, se continuarem la mais para baixo vão ver o resto das publicações.

Para os que falam ou preferem a língua inglesa, no canto inferior direito desta página vão encontrar um símbolo de globo 🌍 onde se colocarem o curso diz “habilitar tradução”. Se clicarem lá, e colocarem o cursor na frase que pretendem traduzir, irá aparecer o texto traduzido para inglês.

Indo para a minha experiência profissional…

Alguns meses depois de iniciar a minha carreira como docente universitária, eu e os meus colegas do departamento, fomos nos informar em como podíamos ser docentes e ao mesmo tempo fazermos a prática clínica. Para tal assinamos um contracto com o Ministério da Saúde e íamos aos centros de saúde duas vezes por semana e uma vez por mês durante os finais de semana para o serviço de urgências de um hospital geral. Então, trabalhei em dois centros de saúde, atendendo a pessoas com doenças crónicas e pessoas vivendo com o HIV/SIDA, e no serviço de urgências de um hospital geral. Fui incentivada a trabalhar em clínicas privadas, mas nunca o fiz. Gostava mesmo da ideia de trabalhar com os serviços de atendimento públicos.

A Faculdade de Medicina fica na cidade de Maputo, um dos centros de saúde também, mas o hospital geral e o outro centro de saúde ficavam em zonas peri-urbanas diferentes. Praticamente estava a trabalhar em 4 lugares diferentes… Para poder me deslocar para esses lugares, usava transporte público, e só depois de alguns meses consegui comprar um Volkswagen “carocha” ou “beatle”… 😄 O meu pai- já falecido – zangou-se tanto comigo por eu ter comprado um carro antigo e com montes de problemas…😶 Ele tinha razão – e lembro-me até de o ter dado muito trabalho por causa de avarias no carro, as vezes em lugares bem longe de casa!! Mas era o que eu podia comprar na altura e foi mesmo por necessidade…

Apesar de ter que ver doentes com doenças crónicas e com bastantes complicações, gerir problemas sociais que muitas vezes acompanham as doenças crónicas, trabalhar nos serviços de urgências de um hospital que alberga um número enorme de pacientes devido a localização, tendo muitas vezes que iniciar o meu trabalho as 19:30 e só me sentar quando fosse entrar no carro para ir para casa por volta das 08:30 ou 09:00 horas do dia seguinte, sem comer e sem beber – sentia-me mais confortável em fazer a parte clínica do que estar a trabalhar na faculdade, devido aos problemas que mencionei na publicação anterior.

Trabalhar nas unidades sanitárias também gerou algum conflito com o trabalho na faculdade porque muitas vezes tínhamos trabalhos que tinham que ser feitos naqueles dias em que devia fazer a prática clínica e as vezes reuniões importantes eram marcadas nesses dias. Com a situação que vivíamos na faculdade na altura, por vezes era difícil explicar aos nossos dirigentes que tínhamos que estar no centro de saúde e que não podíamos estar nessa reunião ou nesse grupo de trabalho, nesse dia.

Mas, graças a Deus, não foram muitas vezes que tive que desmarcar as consultas ou as urgências para poder estar na faculdade. Por vezes trocávamos os dias entre os colegas do departamento se não tivéssemos alternativas.

Através de algumas pessoas que tenho como mentoras para o resto da vida – com uma até agora trabalho – aprendi a gostar da área de cuidados de saúde a pessoas vivendo com HIV/SIDA. Essa ficou a minha paixão na área clínica.

Bem, por hoje fico por aqui!

Como sempre, aguardo sugestões e comentários e que partilhem as vossas histórias.

Até a próxima publicação!

Meu percurso na formação académica… Escolhi Medicina!!!

Bom dia!!!

Para Moçambique, espero que tenham passado bem o feriado e final de semana longo (Dia 3 de Fevereiro, dia dos Heróis Moçambicanos) e para a Matola, continuação de bom e super final de semana longo neste dia da Matola!!!

Ufff… passei ao primeiro teste!!!!! Que alivio!!! A minha primeira publicação no blog foi um sucesso graças aos vossos comentários e suporte!!! Muito obrigada à tod@s!!!

Recebi as vossas sugestões e recomendações, e farei o possível para melhorar. Peço que continuem a ajudar-me nesta caminhada e que contribuam com perceções, sugestões, dúvidas, e até medos e incertezas, pois pretendo crescer com o vosso apoio e espero poder ajudar alguém a crescer.

Indo ao tema…

Bem, segundo relatos da família 😊, com apenas dois anos de idade decidi que queria ser médica!!! Porquê? Não sei…, mas talvez o facto de ter avó – já falecida – enfermeira, três tios médicos (duas do sexo feminino e um do sexo masculino) possa ter influenciado…

Mas como foi o percurso?

Comecei a escola primária com 5 anos de idade. Ainda não tinha a dimensão do que era necessário para seguir o curso de Medicina – e que devia seguir a área de ciências – mas graças a Deus sempre fui de boas notas… até que… na décima segunda classe – até onde vai o ensino pré-universitário em Moçambique – levei com uma faca no peito!!! Minha primeira deceção na vida académica!!! Reprovei a matemática ☹!!! O que teria acontecido comigo?! Reprovei a disciplina que mais detesto!!! 😭

Mas voltando atrás… detesto matemática? 🤔. Vou vos contar o que aconteceu…

A minha professora de matemática era muito conhecida na época… para ser sincera, não me recordo do nome dela, mas lembro-me bem dela e também de um filho dela que estudava na mesma escola secundária. Lembro-me da forma característica dela de falar e de se mover na sala de aulas.

Alguns meses depois, percebi que a turma de por aí 50 alunos – ou mais – estava dividida em duas partes: uma de um grupo de 4 alunas – lembro-me muito bem delas, com algumas até agora me comunico – e outra constituída pelo resto da turma! E adivinhem em que grupo estava? …⏱️ Isso, no grupo “resto da turma”!! 😧. A aula de matemática era direccionada para o grupo de 4 alunas … Nós outros, com ou sem dúvidas, lá estávamos a ouvir a aula para as 4!!

Recordo-me muito bem de repetidas vezes a professora se dirigir a mim e dizer: Beatriz, tu vais CHUMBAR! E eu a perguntar-me: mas porquê vou chumbar, estamos no início do ano, ainda não fizemos nenhum teste… será que ela é vidente? 🤨. Vidente ou não, foi o que aconteceu. A primeira vez que reprovo na vida foi apenas a disciplina de matemática!!

E agora? Bem, a etapa seguinte já devem imaginar… Tinha 17 anos, reprovei a “disciplina que mais detesto” e estou na fase pré-adulta… Meus amig@s… Entrei numa depressão que nem quero lembrar… estava revoltada com todo o mundo!

Os mais pais tentaram convencer-me a inscrever para o ano seguinte e fazer a disciplina como aluna interna para ver se ia com boa nota para o exame. Eu respondi: ir todos os dias à escola para ter aulas de uma disciplina que detesto e com aquela professora? Prefiro ficar em casa!!!! E foi mesmo assim, fiquei um ano em casa, deprimida, revoltada com todo o mundo. Infelizmente quem pagou por isso foram os meus pais e familiares mais próximos! Vai neste momento o meu grande pedido de desculpas em público… 😔.

Foi um ano de muita rebeldia… nesse ano, conheci pessoas que ficaram meus amigos para a vida inteira – uma do sexo feminino e dois do sexo masculino – acho que de certa forma todos nós estávamos passando por um momento de descoberta interna e muitas lutas interiores. Andávamos juntos o dia todo – nenhum de nós estava a estudar na altura por motivos diferentes.

A convite de um primo meu, tornei-me modelo – top model – e depois convidei aos meus três amigos para também o serem, e fomos chamando mais gente para o grupo. Aquilo passou a ser “vida de modelo”: ensaios, desfiles de moda, festas, etc… Sentíamo-nos “luzes da ribalta” 🍸– coisa que combinava bem com a fase que estávamos a passar. Eu agradeço que nenhum de nós se meteu em coisas ilícitas, se bem que fomos tentados de todas as formas possíveis e imagináveis por várias pessoas e ambientes em que andávamos.

No final desse ano, decidi me separar do grupo e ir para a Beira para me preparar para o exame de matemática e depois o exame de admissão ao ensino superior – vivia lá uma das minhas tias médicas que falei logo no início, que admiro e que é uma grande influencia para o que sou profissionalmente. Vão ouvir falar muito dela nas minhas publicações 😅 Infelizmente, depois de algumas semanas decidi voltar à Maputo… não sei explicar porquê, talvez tenha sido ainda influencia do momento que estava a passar. Mas voltei, preparei-me para o exame de matemática e passei!

Próximo passo, fazer o exame de admissão para o curso dos meus sonhos, MEDICINA!!! Yay!!!

Preparei-me para o exame de admissão com o mesmo professor que me ajudou no exame de matemática e concorri para Medicina na universidade pública mais antiga de Moçambique. A minha média para o exame foi de 13 em 20 valores, mas não foi suficiente para entrar para o curso. Nisto, a minha tia médica que vivia na Beira liga para a minha mãe e diz que vai se abrir uma Faculdade de Medicina privada na Beira e que o ensino seria bom. Perguntou a minha mãe se achava se eu estaria interessada. A minha mãe disse logo a ela para falar comigo – já que estava rebelde 🙃 – sem hesitar aceitei a proposta. Essa faculdade tem o ano propedêutico ou ano zero, onde todos os estudantes que se inscrevem entram e são selecionados durante o um ano tendo em conta as vagas na faculdade e a nota mínima – que era de 12 valores – para passar as disciplinas de português, matemática, física, química, biologia, informática e inglês. A minha turma era a primeira do curso. Entramos no ano zero cerca de 60 estudantes, passamos para o primeiro ano cerca de 30 e apenas 16 graduamos como o primeiro grupo do curso de Medicina daquela faculdade.

Imaginem como me senti que havia matemática na lista das disciplinas!!!! Entrei em pânico!!! Lembro-me de ter ido a procura do professor de matemática e pedir para falar com ele antes mesmo do início das aulas. Eu disse: professor, gostaria de falar consigo. Ele muito calmo e sereno disse: sim?… E eu: professor, eu tenho um problema com a matemática. Eu sou péssima á sua disciplina e para ser sincera não gosto muito dela… O professor continuou sereno e disse: Beatriz, eu vou te mostrar que és boa a matemática!!! E não é que me mostrou? Fui uma das melhores alunas da turma!!!! 😊 – professor Vumba, se estiver a ver esta publicação, muito obrigada por tirar este peso de mim!!! Conseguem ver a diferença entre este professor e a que tive na décima segunda classe?

O primeiro ano do curso correu muito bem. Estava em casa dos meus tios e com os meus primos mais novos. Mas, no final desse ano recebemos a informação que os meus tios tinham que voltar a Maputo por questões profissionais e vi-me a ter que me virar numa terra que acabava de começar a conhecer – apesar de já ter ido lá várias vezes passar as férias com os meus tios e primos, anteriormente.

Tinha 19 anos e fui à procura de uma casa para alugar… que martírio!!! Lá encontrei a casa. Parecia que estava tudo bem, mas com o andar do tempo comecei a ver os inúmeros problemas que tinha a casa! Fui enganada!!! Rancho por fazer, canalizador, carpinteiro, etc. para tratar da casa, e ainda por cima, ter que ter boas notas na faculdade. Foi horrível, entrei noutra depressão, chorava todos os dias que falava com os meus pais.

Passados alguns meses, uma amiga de Maputo que também estava lá a estudar, sugeriu que dividíssemos as despesas numa casa que elas estavam a viver. Desde lá, passamos a ser 6 meninas numa casa tipo três onde dormiam duas no mesmo quarto e dividamos as e tarefas. Eramos todas estudantes universitárias nos cursos de medicina e de economia. A adaptação também não foi fácil, e a choradeira para os meus pais continuava…. Recordo-me que numa das férias o meu pai disse que se eu quisesse podia voltar para Maputo. Eu respondi: só regresso depois de terminar!!! Foi uma decisão que me custou caro, já que também o dinheiro que recebia da minha mãe para as despesas da casa e dos estudos – o meu pai estava desempregado na altura – não era suficiente. Era o que ela podia dar…. Comer, viver e estudar, era um grande desafio para mim e para as minhas colegas.

Felizmente, no segundo ou terceiro ano da Faculdade, uma das nossas professoras perguntou se não gostaria de fazer parte de um núcleo de combate ao HIV que ia ser criado na faculdade. Aceitei a proposta. Começamos 5 e hoje só oiço falar de coisas boas do núcleo que agora tem vários membros. Por causa do nosso desempenho nas actividades do núcleo, foi-nos oferecida uma bolsa de estudos que pagava as propinas. Sendo assim, só precisava de dinheiro para as outras despesas. Os desafios financeiros não melhoraram muito, mas fiquei feliz por poder aliviar a minha mãe. Terminei o curso com essa bolsa, foi a primeira bolsa de estudos que recebi! E agradeço bastante!

Durante o curso fui convidada a dar aulas aos estudantes dos primeiros anos do curso.

Bem, este é o resumo do meu percurso até a minha licenciatura em Medicina. Espero que possa motivar a alguém! E como sempre, peço cometários, recomendações e sugestões.

Obrigada pela atenção!

Mais histórias nas próximas publicações!

Resposta ao comentário da Felicidade Niquice…

Boa tarde!

Hoje estou muito feliz em poder responder a uma ex-estudante minha!!! Muito obrigada Fernanda! Fico lisonjeada… 🙃 E Felicidade, não se preocupe com o tamanho do texto…

Escrevo como publicação para ver se mais pessoas podem ler…

Eis o cometário abaixo:

“Boa Dra. Beatriz! Fui sua aluna na Faculdade de Medicina e devo dizer-lhe que gosto muito do blog!

Gostaria que abordasse o tema Dinâmica, mãe, mulher, esposa, trabalhadora e estudante! Pois muito oiço que tudo se complementa é só ter uma “agenda”, mas a verdade é que a vida é corrida. Andamos de clínica em clínica, estamos a estudar (mestrado/doutoramento/especialidade) temos filhos, eu neste caso um pedacinho de carne de 9 meses, sou casada. Ufff. Gostaria de perceber da sua rotina e como o faz! E uma questão levou o seu filho quando foi a Suécia para o Doutoramento? Se sim, como foi?

Desculpe o texto longo”

Eis a minha resposta:

Cara Felicidade.

Muito obrigada pelo comentário e dúvidas, e os meus parabéns pelas suas conquistas.

Realmente a rotina não é fácil. Uma das coisas que nunca fiz e nunca quis fazer é andar de clínica em clínica. Alguns podem criticar, e pensar que tenho uma vida financeira abastada, pois sei que a maior parte dos profissionais de saúde andam de clínica em clínica para poder melhorar o seu rendimento. Mas, eu preferi abdicar disso para realmente ter uma vida mais equilibrada. Sou docente e pesquisadora desde 2008 e trabalhei em um hospital geral e dois centros de saúde públicos por 5 anos. Quando era solteira até podia fazer mais clínica, mas realmente não quis fazer.

Uma das coisas que me ajudou foi ter um marido que apoia as minhas decisões. É claro que se eu disser algo com que ele não concorda, ele expõe a sua opinião e eu depois tomo a decisão com ele. O mais importante é a comunicação entre os parceiros. As vezes é necessário nos esforçamos mais para ajudar o nosso parceiro a entender a decisão que queremos tomar, mas a conversa resolve.

Como consigo? É algo que aprendo todos os dias. Não há uma fórmula para tal. Mas em primeiro lugar temos que gostar do que estamos a fazer. De seguida, creio que para além de termos aliados dentro de casa, na família e no local de trabalho, é importante nos amarmos e nos conhecermos. Saber os nossos limites.

Eu sou péssima a trabalhar com notas, agendas, etc… Lembro-me que na faculdade durante o curso de medicina os docentes nos incentivavam a tomar notas. Eu comprava blocos de notas, cadernos, canetas de várias cores, marcadores, etc., e no fim do dia, pegava no livro e lia por inteiro…. Não conseguia concentrar-me usando as notas… e sou assim até agora… Sei que é algo recomendado, mas realmente tenho dificuldade.

Outra coisa que aprendi, foi que devo dormir o suficiente sempre que posso e respeitar as horas fora do expediente, feriados e finais de semana. Eu só trabalho fora das horas normais de expediente em casos de extrema necessidade. Fiz isso para poder cuidar mais de mim e poder estar mais tempo com a minha família. Sei que pode ser loucura, mas durante o curso de medicina nunca dormi depois das 22hrs, mesmo tendo exames… fiz a mesmo no mestrado e agora no doutoramento. Quando tinha noites no hospital onde trabalhava tentava compensar as noites de sono durante o dia… Lembro-me que quando viajava para o doutoramento fazia questão de ir para a cama na sexta-feira, acordar só para falar com a minha família, ir a casa de banho, comer e voltava as actividades normais só na segunda-feira.

Para além disso, tento andar muito a pé e fazer exercícios leves. Quando viajo para o doutoramento uso transportes públicos apenas em casos extremos. A distância do alojamento até a universidade é de mais ou menos 40 minutos. Então andava a pé pelo-menos 80 minutos por dia. Confesso que aqui em Maputo seja mais difícil fazer essas caminhadas.

Nem todos têm as mesmas condições que eu e nem as oportunidades, mas esta é a minha forma de cuidar de mim.

Quanto a levar o meu filho para a Bélgica – não Suécia como a Felicidade tinha dito – levei a ele quando tinha 5 meses pois ainda estava a amamentar. Isso foi na minha primeira viagem. Ele ficou comigo lá por 3 meses. A vantagem de lá é que há uma creche bem dentro da universidade. Então eu levava a ele logo de manhã, deixava a ele na creche e no fim do dia ia o buscar. Sendo assim, depois da hora do expediente e finais de semana não estudava para poder cuidar dele. Na segunda viagem ele já tinha um ano e quatro meses e sendo assim, deixei-o com o meu marido.

Bem, espero que tenha ajudado. Mas estou aberta a mais esclarecimentos.

Continuando com o meu doutoramento…

Bom dia amig@s! Tenho andando desaparecida por estes dias… Duas são as razões. A primeira porque realmente ando ocupada com outras tarefas e a segunda porque aguardo histórias de algumas pessoas, que já me prometeram… 🥰

Mas, entretanto, vou dar continuidade ao meu percurso ao longo do doutoramento.

Após regressar da primeira viagem para o meu doutoramento, levando o meu filho, tive que voltar a rotina de trabalhadora, mãe, esposa e estudante. Estava tudo a andar bem, até que durante os estudos me apercebi que existe uma grande lacuna entre expectativas e realidade.

Conforme planificado, os meus estudos iniciaram em Janeiro de 2015 e terminavam em Dezembro de 2018. Mas, todo o ano de 2015 passei a deriva porque nenhum dos supervisores que tinham sido alocados a mim na instituição onde eu estava a estudar percebiam do meu tema. Foram várias as frustrações com isso, até que em 2016 um dos supervisores, que era ao mesmo tempo o director do centro onde estou a fazer o doutoramento decidiu solicitar um docente de uma outra faculdade para ser o meu segundo supervisor. Sendo assim, fiquei com um supervisor na Faculdade onde eu pertencia, um numa outra Faculdade e um moçambicano.

Na Faculdade onde faço o doutoramento também somos alocados membros do comité de orientação, onde docentes de áreas diferentes, mas que podem contribuir para a área em o estudante está a trabalhar, são solicitados a guiar o estudante. Sendo assim, fiquei com 5 orientadores de áreas diferentes. Nisto, pude avançar com o protocolo de pesquisa e iniciar o trabalho de campo em 2016.


O trabalho de campo foi outro dilema! Costumo dizer as pessoas que para mim o doutoramento não é difícil, tendo em conta que escolhemos uma área que é do nosso interesse. As grandes barreias que tive não vieram de mim, mas sim do que estava a minha volta.


Sendo que o meu doutoramento era a base de financiamento, ou seja, bolsa de estudos, sempre que tivesse uma actividade devia fazer cartas, apresentar facturas, recibos, etc., e isso atrasou bastante o meu trabalho. Outra coisa que fez atrasar o meu trabalho de campo foi a disponibilidade dos participantes da pesquisa; viagens ao centro e norte do país; marcar com as pessoas e chegado o dia não estarem disponíveis, ou simplesmente não ter o número de participantes desejado e receber justificações não plausíveis sobre a falta de disponibilidade dos mesmos. Algumas das actividades tiveram que ser canceladas ou re-planificadas pelos motivos mencionados. Mas, consegui terminar a recolha de dados em dois meses.

Após a recolha de dados iniciou a sua análise. Aí a minha fraqueza já influenciou. Tenho 4 estudos, e dois deles são quantitativos… Depois do trauma com a matemática que já vos contei… continuo com fobia a números… 😒 A estatística durante a análise de dados voltou a recordar-me daquela professora que já vos falei… BEATRIZ, TU VAIS CHUMBAR!!!! Ufff… mas graças a Deus sobrevivi… Correu muito melhor do que eu imaginava, tive muito apoio do supervisor da outra faculdade. Ele foi chamado para o meu doutoramento um ano depois mas tem sido um grande pilar para o sucesso do meu doutoramento…🤗

Bem, hoje fico por aqui… na próxima publicação sobre mim irei falar de outro grande desafio que tive que foi a publicação dos artigos…


Um grande abraço e por favor, partilhem as vossas histórias, comentem, etc…

“Uma mulher é o que ela quiser ser e pode chegar até onde ela se propuser chegar…”

Boa noite!!! Hoje partilho um texto escrito para o Mulher Africana na Ciência…

Para ver o vídeo partilhado pela Educa Tv no YouTube onde a minha convidada aparece, por favor clique no link

“Olá!

Chamo-me Karen Fernanda Herculano tenho 18 anos de idade e frequento a universidade Eduardo Mondlane, no primeiro ano de engenharia elétrica.
Bem, como estudante tenho mais afinidade com as disciplinas práticas que as teóricas e isso não é de hoje.

Durante o ensino primário e secundário minhas disciplinas prediletas foram matemática, física e desenho (sobretudo matemática), o que não era muito comum principalmente para uma menina. Porém, para mim o género nunca foi um problema, muito pelo contrário.

Posso dizer que por ser filha de mãe solteira, tive a minha mãe como um exemplo de que uma mulher é o que ela quiser ser e pode chegar até onde ela se propuser chegar.


O meu irmão também foi um grande exemplo para mim, e teve um papel crucial durante o meu percurso. Felizmente a minha família sempre me ajudou e incentivou.


Bem, durante o meu percurso no ensino básico e fundamental não tive grandes dificuldades. Sempre me dediquei aos estudos, não por obrigação mas porque gostava, e como consequência tive resultados muito bons.

No entanto um momento me marcou bastante, que foi a transição para a décima primeira classe. A secção que escolhi seguir foi ciências com desenho, secção esta muito temida e maioritariamente aderida por rapazes.

Lembro-me que na turma haviam apenas 9 meninas contando comigo. Inicialmente foi uma fase difícil para mim, pois tive de ouvir de colegas e até de alguns professores coisas como: escolheste uma secção de rapazes… vais conseguir? Sabes desenhar? Não estás arrependida? Não queres trocar?


Isso de certa forma deixou-me insegura, e realmente cheguei a pensar em desistir. Mas felizmente não o fiz, dediquei-me mais pois era aquilo que eu gostava e queria. E consegui me engrenar chegando até a ser considerada uma das melhores alunas. Essa foi uma lição de vida que guardo até hoje: as pessoas não podem medir onde tu podes chegar…

Foi nessa fase (11ͣ -12 ͣ classe) que decidi que queria fazer Engenharia, mas ainda não sabia ao certo qual. Essa vontade surge maioritariamente por influência do meu irmão, formado em Engenharia Civil, que na altura ainda estava estudando. Ele sempre conversava comigo acerca de seu curso e eu achava muito interessante.

Quando chegou a vez de escolher, após ter investigado bastante, decidi que iria concorrer para o curso de Engenharia Eléctrica.

Se eu disser que é um mar de rosas, estarei a mentir. fazer engenharia, não e fácil, a transição em si para o ensino superior não e fácil, porém não há melhor coisa que saber que vai valer a pena pois é um esforço para realização de um sonho. E não importa o género quando se trata da ciência e do saber por isso fica aí o meu conselho as meninas que se sentem incapazes, receosas, etc….

Vocês têm sim capacidade, ninguém pode decidir por vós ou colocar-vos barreiras.

Eu particularmente não acho extraordinário ter feito ciências com desenho ou estar a fazer eng. Elétrica, isso e algo tão natural que eu gostaria, sinceramente, que todos encarassem da mesma maneira.


Não desistam dos vosso sonhos. Aqui na faculdade de engenharia há lugar para vós, seria muito bom ter mais e mais mulheres conosco.”

Chamo-me Cadino Chipanga, dedico-me a incentivar as mulheres a gostarem e cuidarem dos seus cabelos naturais e faço advocacia sobre higiene e direitos sexuais e reprodutivos…

Escute o áudio acima para ouvir a entrevista ao Cadino Chipanga pelo Mulher Africana na Ciência

Clique no link para assistir ao video Manhã de meninas com Carapinha

Reflexão sobre consequências do abuso/assédio sexual…

———– English version below ———

Boa noite amig@s…

Hoje trago uma reflexão…

Exactamente a uma semana atrás, uma estudante minha contactou-me a pedir que tivesse um encontro comigo.

Veio-me logo a cabeça que ela queria falar sobre algo que não estava a correr bem com os estudos dela… Mas… me enganei… O que ela queria conversar comigo era algo que eu não imaginava e que acabou com o meu dia… Algo que me deixou a reflectir até hoje…

Depois da conversa eu tinha que voltar ao trabalho. A tarefa que tinha que fazer naquele dia exigia muita concentração, coisa que não conseguia ter depois do que ouvi…

No fim do dia, conversei com o meu marido sobre o assunto e ele também ficou algum tempo a reflectir. Perguntei a ele o que achava de partilhar esta experiência no meu blog e concordou.

Reflecti por mais alguns dias e perguntei a estudante se podia partilhar a história sem que a identificasse. Ela felizmente concordou.

Vou resumir a história me concentrando na minha reflexão por estes dias…

A jovem me pede para conversar sobre a vida sentimental dela… fiquei um bocado embarassada ao perceber que o assunto não tinha nada a ver com a vida acadêmica mas percebi que ela estava mesmo aflita… não vou entrar em detalhes sobre o que ela me contou mas o que me deixou a reflectir foi o seguinte:

Ela diz que quando era mais nova tinha amigos que tinham “brincadeiras de adultos”. Tentei perceber o que ela queria dizer e percebi que ela falava de questões relacionadas com actividade sexual.

Conta ela que se lembra que teve algum contacto com estes amigos do sexo masculino, mas que não se lembra exactamente o que terá acontecido. O que ela se recorda é que a medida que ela foi crescendo, esses “amigos” iam gozando com ela e riam-se dela no meio da rua contando sobre alguns episódios de índole sexual que supostamente passaram com ela… O pior nessa história é que ela foi crescendo e não sabe dizer se já teve o primeiro contacto sexual, ou seja em linguagem popularmente conhecida, ela não sabe dizer se “é virgem”… Segundo ela, isto lhe atormenta desde a adolescência… Ela chora, perde noites a pensar no assunto, porque segundo a sua crença religiosa é importante que se case “virgem”…

Uff, isto pode parecer ridículo para muitos. Muita gente pode se questionar como é que uma jovem, adulta, não sabe dizer se é virgem? Ela própria antes de me contar ficou bastante indecisa e dizia frases como: eu acho que sou maluca, eu acho que sou parva… e hesitava em me contar o que tanto a afligia…

O que mais me aflige é que esta questão a tem atormentado estes anos todos e tem interferindo na vida sentimental dela…

“E se eu conhecer alguém, decidirmos nos casar e ele descobrir que não sou “virgem”…”

Não vou debater sobre a parte clínica deste assunto mas…

Quantas mais pessoas no mundo vivem com estes demónios? Quantas mais vítimas de abuso/assédio sexual têm este tipo de traumas?

 

———- English version ———-

Reflections on the consequences of sexual abuse/harassment…

Good evening, friends…

Today I’m bringing a reflection…

Exactly a week ago, a student of mine contacted me and requested a meeting with me.

It came to me quickly that she wanted to talk about something that was not going well with her studies … But … I was wrong … What she wanted to talk was something I did not imagine and that ended my day … Something that let me reflecting until today …

After the conversation, I had to get back to work. The task I had to do that day required a lot of concentration, something I could not do after what I have heard…

At the end of the day, I talked to my husband about it and he also took some time to reflect. I asked him what he thought of sharing this experience on my blog. He agreed.

I have reflected for a few more days and asked the student if she could share the story anonymously. She happily agreed.

I will summarise the story by focusing on my reflection…

The young woman asked me to talk about her sentimental life … I was a little embarrassed to realise that the subject had nothing to do with her academic life but I realised that she was really distressed … I will not go into detail about what she told me. What I was left to reflect was the following:

She says that when she was younger she had friends who had “adult plays”. I tried to figure out what she meant and realised that she was talking about sexual activity issues.

She recalls that she has had some contact with these male friends, but she does not remember exactly what happened. What she remembers is that as she grew up, these “friends” used to laugh at her in the middle of the street talking about some sexual episodes that supposedly happened with her …

The worst thing about this story is that she has grown up and does not know if she has had her first sexual contact, or in popular language, she cannot say if she is a virgin … According to her, this has been tormenting her since she was a teenager … She cries a lot when she thinks about it because according to his religious belief it is important to get married as a “virgin” …

Uff, this may seem ridiculous to many. Many people may wonder how a young woman, an adult, cannot tell if she is a virgin or not? Before she told me about her feelings she was very hesitant and said phrases like: I think I’m crazy, I think I’m silly … and hesitated to tell me what was so distressing …

What plagues me most is that this issue has plagued her all these years and has interfered in her sentimental life… “And if I meet someone, we decide to get married and he’ll find out that I’m not a “virgin”…”

I will not discuss the clinical part of this subject but…

How many more people in the world live with these demons? How many more victims of sexual abuse/harassment have this type of trauma?

———– English version below ———

O início da minha carreira científica…

Meu primeiro artigo cientifico.

Boa tarde amig@s!

Já não escrevo há quase duas semanas… Uff… agora que comecei com o blog já percebo o desafio que muita gente tem em continuar a publicar. Associar blog com outras actividades não é uma tarefa fácil, mas é gratificante quando vemos que temos leitores simpáticos como vocês… muito obrigada pelo carinho!

Hoje vou escrever sobre como comecei a fazer pesquisa e escrever artigos científicos.

Tudo começou no inicio da minha carreira profissional. Creio que foi dois anos apos o inico da carreira. Conforme vos contei antes, tive um início de carreira bastante turbulento. Mas, apesar de tudo, conheci pessoas que contribuíram muito para quem sou hoje. Umas contribuíram “negativamente” mas me fazendo uma pessoa mais segura, confiante em mim mesma, aprendi também quando devo falar ou responder. Esta última característica creio que foi a mais importante para mim.

Os que contribuíram positivamente, tenho-os como parceiros até hoje e têm me ajudando bastante na minha carreira. Um deles, é um Professor Catedrático que já escreveu vários artigos científicos e já se reformou. Conheci-o no âmbito do trabalho que eu fazia no início da minha carreira. Observando o dia-a-dia do meu serviço e as minhas tarefas, ele sugeriu que escrevêssemos um artigo cientifico para que fosse apresentado numa conferência fora do país. Bem, na altura nunca tinha escrito nenhum artigo cientifico e nunca tinha participado como oradora numa conferência internacional.

O titulo do meu primeiro artigo era muito polémico “Moçambique: Modelo de aprendizagem baseado em projectos/problemas. Acabar com as aulas para que os alunos aprendam?”. Parecia mesmo uma provocação e que estava a ir contra aquilo que eu defendia como minha função. Eu promovia a aprendizagem baseada em solução de problemas… Mas a ideia do artigo era tentar perceber se estávamos a fazer a coisa certa usando a experiência da nossa instituição e de outras dentro e fora do país. Apesar de estar bastante nervosa e sozinha, a apresentação correu melhor que as minhas expectativas.

Aprendi muito com os dois docentes sénior. Aprendi que os artigos científicos podem ser escritos sobre vários assuntos, até sobre experiências do nosso dia-a-dia. Também aprendi a procurar literatura para o enquadramento teórico, ou seja, ver o que outros pesquisadores já escreveram sobre o mesmo que estou a escrever, a como organizar um artigo cientifico e que palavras usar ou não para uma escrita cientifica. Através do evento em que participei, conheci pessoas que trabalhavam na mesma área que eu e que tiveram algumas das dificuldades que eu tinha. Alguns sugeriram como os ultrapassar.

Foi assim que começou a minha paixão pela escrita cientifica…

Muito obrigada pela vossa atenção. Agradeço comentários, perguntas e experiências.

Até a próxima publicação.

Eu sou Sandra Manuel… acho que é o momento de nós revisitarmos o conceito de universidade, de fazer academia…

Eu sou Sandra Manuel, sou antropóloga, faço pesquisa e lecciono em questões de género e sexualidade.


Eu não sei se já cheguei ao que eu ambiciono, se já cheguei ao fim da minha carreira. Acho que a minha carreira é uma trajectória com… não chamaria quebras … não sei se o meu sonho era ser antropóloga. Gosto muito do que faço, tenho muito prazer no que faço, mas agora estou numa fase em que quero transformar o meu conhecimento antropológico em algo que me dá mais prazer como individuo.

Estou um pouco desiludida com o mundo académico, na situação actual que está. Não é especialmente sobre Moçambique. Acho que é o momento de nós revisitarmos o conceito de universidade, de fazer academia. Para que fazemos e qual é o nosso fim? E só… quer dizer, sim descobrimos conhecimento novo, mas o que é que nós fazemos com esse conhecimento? Fica só entre nós nas nossas conferências científicas, nos artigos que publicamos, nos livros que publicamos… em que medida ser moçambicana com todos os desafios que estes país tem… com todos os desafios para o futuro do país, em que medida podemos ser mais proactivos, mais criativos na forma como usamos o nosso conhecimento? E acho que o meu desafio agora é esse. Estou a abrir uma nova fase em que procuro fazer coisas diferentes com todo o conhecimento que já acumulei.

Então queria fazer mais pesquisa, temos muitos constrangimentos para poder fazer, na universidade, mas queria fazer algo que tenho uma paixão muito grade. Eu costumo dizer que as minhas três paixões são, sexo porque eu estudo sexualidade, comida porque eu gosto muito de sabores, de criar no espaço da culinária e moda, porque eu sempre fiz artigos de bijutaria, brincos, colares, então tudo isso… eu consigo ver uma ligação entre as três coisas e uma ligação antropológica entre isso. Então estou a tentar criar um espaço … a minha parte mais empreendedora que ainda esta por vir, onde eu consigo juntar estas três coisas com um cunho antropológico. Portanto ainda tenho um desfio até chegar lá. Mas acho que já conquistei muitas coisas. Já fiz um doutoramento em antropologia, publiquei vários artigos, continuo a trabalhar como professora, dando aulas, a fazer pesquisa, coordeno um grupo de jovens lideres, projecto designado Young Women Leaders, que faz a capacitação de jovens mulher no ensino universitário, para questões de saúde sexual e direitos reprodutivos.

E então, como cheguei lá, quais foram os desafios que eu tive para chegar?… Bem, confesso que eu tive muito apoio, acho que nesse sentido, desde apoio familiar, tanto apoio psicológico, moral, financeiro, para perseguir a minha carreira académica em Moçambique, na África do Sul, na Inglaterra, tive muito apoio nesse sentido. Também tive as minhas próprias conquistas, me candidatei para conseguir uma bolsa de estudos, mas muitas das ideias sobre pensar em ter uma bolsa de estudos veio de conversas com amigos, de conversas com outros familiares, ou sugestões de conhecidos. Então nesse sentido sinto que tive apoio. Uma coisa que gostaria de apelar as pessoas que não tentem fazer tudo sozinhos, porque as pessoas sabem, há pessoas que conhecem… muitas vezes temos receio de nos aproximarmos mas no máximo que podemos ouvir é não. E não, nós já vínhamos com esse não, a pessoa não muda a situação que está e existe uma possibilidade muito grande de a pessoa ter uma resposta diferente e mudar completamente a forma como vemos o mundo e as oportunidades que nos são expostas.
Em termos práticos, talvez… desafios… um dos principais desafios que eu sinto que tive e tenho é lidar com o sistema, o nosso sistema é muito burocrático. O nosso sistema não está preparado para facilitar a vida do cidadão. Então desde experiências em meter bolsas de estudo e o processo ficar parado no ministério um ano, e informarem: mas nós já concedemos a bolsa. O que se passa? Porque é que não vem (o/a estudante)? E ter que ir atrás do ministério para procurar saber o que se passa… ”mas ahhh já passou o prazo”… então ter que negociar para ir no ano seguinte… quer dizer esses são… a maior parte dos meus desafios tem a ver com o que eu passei com o sistema e até o momento sinto essa dificuldade. Acho que isso deve ser uma das piores coisas que nós temos no nosso contexto. Eu sinto que há muita garra, muita ambição do lado das pessoas, mas as estruturas estavam… não digo que todas, porque há outros sectores que não são assim, há outras pessoas nos sectores que não são assim, mas na generalidade da forma como os sistemas funcionam apoiam muito pouco. Hoje ainda bem que temos a internet que nos ajuda a ter informação mas eu ainda sou do tempo em que para ter bolsas de estudo nós tínhamos que ir ver as listas que existiam no ministério. O que existe? Procurar saber nas embaixadas… mas víamos na embaixada e ainda tínhamos que meter o documento no ministério. Aquilo era muito difícil. Acho que quando eu reflicto um dos principais desafios que tive foi esse.

O outro… acho que tive alguns desafios de integração. Sempre fiz o ensino primário, o ensino secundário até o bacharelato em Moçambique. Quando eu fui estudar na África do Sul, para a licenciatura e mestrado senti que tive… bom, talvez sejam desafios comuns, de estar num novo espaço, numa nova cultura e principalmente cultura académica. Também as expectativas eram diferentes. Eu quando sai (de Moçambique) achava que era uma estudantes brilhante… e tinha umas boas notas… Mas então foi uma frustração muito grande chegar lá e dizer: humm afinal os máximos lá de casa não são necessariamente os máximos do mundo. Então ajudou-me a crescer, ajudou-me a ver o mundo numa outra expectativa. Custou … não digo que não… custou a adaptar-me a isso. Talvez uma das coisas que isso fez em mim e que eu ainda preciso combater.. Isto criou em mim um sentido de dúvida… antes eu era muito mais… embora vivesse com alguma dúvida… mas era muito mais confiante em mim, acho que tinha muito mais crença nas coisas que fazia. Hoje eu acho que penso muitas vezes antes de tomar uma decisão por causa dessa experiência, esse choque eu encontrei e depois voltei a encontrar quando fui a Inglaterra e fiquei: uhh, ok… então em alguns momentos tenho dúvida, numa coisa que eu sinto, para escrever, quando eu tenho que escrever um artigo… neste momento tenho um artigo que escrevi em Junho do ano passado, está escrito, está completo, mas eu ainda não enviei para ninguém, porque estou a perguntar-me, será? … esta virgula, este ponto, este argumento… então isso para mim é mau… e foi um dos impactos que não me ajudou… não sei … fiquei com muita dúvida sobre as minhas capacidades embora que quando partilho com os outros dizem que esteja perfeito. Mas acho que é uma crítica interna que agora, acho que para o caso desse artigo nem me está a ajudar. Eu devia mandar e pelo-menos que a recusa viesse da revista. Mas isso é para mostrar que muitas vezes quando nós lemos os artigos as dificuldades são de nível económico, são de nível de apoio, mas também acho que é bom nós reflectirmos nas dificuldades que nós encontramos connosco próprios no processo de conhecimento, de exposição a novas realidades e que é um desafio também nós lidarmos com essas dificuldades de nos transformarmos. Acho que sim, esses seriam os meus desafios…

E como é ser mulher, mãe, esposa e profissional?

Eu sempre fui muito consciente da relação, porque desde o início da minha formação, desde que percebi o que era pesquisa, os meus tópicos tinham a ver com sexualidade, género. Então, desde o início fui muito consciente, porque eu sou filha de… o meu pai só teve meninas, e criou-nos com muita rigidez, com… criou-nos como se fossemos homens, na verdade… então, no sentido que não era muito passar as mãos nas costas, pelo contrário, “vai, alcança, prossegue” ele não fazia por nós, obrigava-nos a fazer mas em todas as esferas, então deu uma certa, firmeza.

O facto de eu ter estudado questões de género fez com que desde muito cedo eu tivesse consciência que estar com alguém, não devia em nenhum momento implicar que essa pessoa comandasse, decidisse sobre as minhas escolhas… gostar de mim é gostar dos meus sonhos, também. Gostar da pessoa que eu sou, e eu sou uma pessoa que sonha de uma determinada maneira, que sempre sonhei em não ter filhos muito cedo, sempre sonhei em estudar fora e trabalhar fora, em dar aso as oportunidades que a vida me oferecesse. E acho que por causa disso, gosto da coisa da lei atracação, muitas vezes nós atraímos o que nós sentimos. E eu acho que acabei atraindo uma pessoa que reflectia o que eu sentia, e então ai não é um desafio. É uma pessoa que me apoia muito e que também é antropólogo, ele tem uma visão partilhada nesse sentido. Então é uma pessoa que me entende perfeitamente.
Casei-me depois de fazer o doutoramento e só tive filhos depois do doutoramento. Mas desde então participo em conferências, faço retiros científicos de dois meses, três meses, e fazemos trocas do mesmo tempo que ele na carreira dele faz as suas. Ele tem capacidade de entender que aí é o espaço onde eu realizo os meus sonhos e respeita muito. Mesmo saídas nocturas, com colegas, em conferências, em seminários, somos muitos amigos, isso ajuda muito. Por acaso neste aspecto não diria que… claro que ainda tenho algum peso das questões de género que talvez seja a minha forma de reproduzir algumas coisas que eu própria critico, mas as vezes sou muito galinha, se é para ele ir para o hospital, eu também quero ir, para garantir que ele está a perceber o que o médico está a dizer. As vezes, quer dizer, essas coisas ficam inculcadas em nós mesmo estudando isso, as vezes não fazemos… não é a minha presença que vai mudar nada… então… mas não sinto necessariamente como um desafio.
Quais foram os seus desafios como mulher no ambiente académico?
No ambiente académico, talvez a minha trajectória teve uma confluência de vários aspectos. O facto de… sempre fui uma estudante que participou muito nas aulas, que fez actividades extra-curriculares, então sempre tive algum tipo de visibilidade. Mas desde o ensino secundário… então sempre fui aquela que contestava, seja crítica aos argumentos, seja crítica de posicionamentos sociais, e então penso que esta atitude me abriu portas e para os meus pares, tanto homens como mulheres. Sinto que na generalidade não fui tratada como diferente ou… sempre me senti tratada como par por colegas homens e por colegas mulheres, e também devo confessar que a na maior parte dos lugares onde trabalhei foram lugares pequenos, ciclos pequenos onde a amizade estava muito presente. Eramos grupos de amigos, que trabalhavam juntos, então é uma cultura que eu preso muito. A ideia de colegas… meus colegas do departamento de antropologia, chamamos o peixe… em que uma vez por semestre tentamos ir ao Mercado do Peixe e ficamos a tarde lá. Isso é muito importante porque nos conhecemos para além dos gabinetes e sabemos sobre as nossas famílias, criamos empatia e ouvimos desde posicionamentos políticos, familiares, e damos uma outra forma de relacionar. Então foi muito importante para a minha solidez como profissional.

Também tive… por exemplo faço assessoria ao Reitor da Universidade Eduardo Mondlane. Talvez foi o espaço mais amplo em que eu trabalhei e aí sim, posso dizer que se percebem alguns preconceitos por ser mulher e jovem. Então alguns comentários do tipo “os jovens de hoje”… cada vez que alguém faz alguma intervenção… pois não estou a falar como um jovem mas estou a falar como uma profissional com a minha experiência naquele momento… então aí… mas consigo entender as vezes como um mecanismo de defesa. Então eu acho que é muito importante termos consciência de porque é que as coisas estão a acontecer dessa maneira e daí termos a capacidade de avançar, de relevar, não nos afectar tanto e escolhemos as nossas lutas. Faço muito esse exercício em lugares que eu sei que aqui eu tenho interesse e vou para frente, não deixo que passe, mas em outros lugares… senão fico com cabelos brancos… é melhor dizer, está bom, esta luta não é para mim, o meu adversário… então acho que as lutas são para os mais jovens, para mudar o amanhã, não sei se estou preocupada com alguém que é mais velho do que eu. Acho que é uma luta inglória.

Faço alguns projectos para crianças. Eu trabalho também… sou pesquisadora associada de um instituto de pesquisa, “Caleidoscópio”, e um dos projectos que estou a desenvolver no instituto é um livro de receitas para crianças. O objectivo do livro é contar a história de Moçambique de uma forma que não se prende apenas com a história oficial que é bastante guiada por uma história política, uma história do colonialismo, da independência, e de pós-independência esses marcos para Moçambique… Moçambique é tão mais do que isso, trazermos a história social, das pessoas, então a partir da comida, a partir dos diferentes sabores, de aromas, temperos que nós temos… fazer a ligação que nós temos com a Ásia, com a Europa, mas também as diferentes ligações internas… dentro de Moçambique… o mar, o interior, e como as pessoas se relacionam, então, vamos saborear, entendo a nossa historia… é um pouco isso.

Uma coisa que eu sinto que me dá muita independência, me fortalece bastante, é que é preciso ter consciência de onde estamos, porque se nós soubermos porque que as coisas acontecem assim, nós podemos escolher aceitar o que a nossa vida seja “assim ou assado”. Mas tem que ser uma escolha informada porque eu sinto muitas vezes que as pessoas na generalidade, as mulheres especificamente, deixam-se guiar por pressões da sociedade, e muitas vezes elas nem dialogaram com elas próprias para saber se é aquilo que elas querem. Tens que casar, tens que casar aos 23 anos, logo que acabares o ensino superior tens que casar… para quem? É para mim? Eu tenho alguém com quem eu quero casar? Talvez tenha, mas essa pessoa… o que é casar? É importante que as pessoas percebam o contexto, percebam o significado de decisões que vão tomar, e decidam se as fazem ou não.

Qual é o recado que deixa para as meninas?

Eu sinto que algo que me fortalece é a sensação de passos firmes e sólidos porque muitas vezes demoram a tomar decisões mas porque tem que pensar nas multiplicidades de factores que me levam… porquê que estou a tomar uma determinada decisão? É realmente responder aos meus desejos? Ou é para agradar talvez os meus familiares ou a sociedade acha que é certo… tem que ter filhos… quando? Porquê que tem que ter, o que vai significar conviver com um ser que vai ficar sob a minha responsabilidade até pelo-menos 18 anos? Estou pronta? É isso que eu quero? Em que medida isso pode comprometer os meus sonhos? “Mas se eu não tiver não sou mulher” … mas porquê? Porque que todas as mulheres tem que ter o mesmo caminho? As pessoas são diferentes, então mulheres também entre elas são diferentes. Porque é que eu não posso adoptar, talvez quando eu tiver 40 ou 50 e achar que eu já fiz o que me apetece. Então, façam escolhas informadas e percebam porque é que vocês então a fazer essas escolhas. Contextualizem-se. Acho que isso é muito importante.

E o que acha da sorte?

Eu acho que a vida é imponderável. Muitas vezes nós achamos que podemos controlar o nosso destino e a cada dia que eu vivo mostra que isso não é possível. Façamos o melhor para termos controle, para nos armarmos, para garantir que conseguimos ter acesso ao que é possível termos acesso. Mas o caminho que muitas vezes sonhamos não é o caminho que acaba acontecendo e que eu acho que é positivo, porque nós na vida encontramos pessoas, encontramos coisas, encontramos oportunidades que podem nos guiar para novos caminhos que se abrem e podem ser uma maravilha para nós. Eu não acho que isso é sorte. Eu acho que isso, todos nós passamos por isso. Agora, aquilo que as pessoas chamam sorte… é como é que tu usas as oportunidades que te surgem? Aí é que eu acho a ideia de estar consciente, ler, perceber, conversar, estar atento, isso é que faz a diferença, mas isso não se chama sorte. Chama-se ser estratégico em algum momento, chama-se ser atrevido, não ter receios, não ter medos. Porque mais uma vez como dissemos, o máximo que pode acontecer é a pessoa dizer não, não quero, não faço, não me apetece. Mas eu vou perguntar desculpe: é coordenador desta organização? Eu tenho muito interesse, gostaria de a partir da sua organização criar um projecto. A pessoa vai dizer: não, nós não fazemos isso. Ou pode dizer: ok, venha ao meu gabinete e vamos conversar. Será que isso é sorte? Não. Estava ao meu dispor a oportunidade de eu falar com essa pessoa, eu já tinha essa ideia anterior e coloquei. Não sei se é sorte…